[ editar artigo]

Formas de tentar controlar a instabilidade

Formas de tentar controlar a instabilidade

Tenho visto muitos pacientes que apresentam sintomas diferentes, como roer unhas, puxar pelinhas do corpo, receio de engasgar, ciúme exagerado, muitos sintomas psicossomáticos, pequenas crises de pânico,  tentativas obsessivas de controle, etc. A  medida que vamos conversando percebo na raiz destes sintomas ou incômodos um medo muito significativo da instabilidade ou da perda de continuidade de determinada situação que vivem. 

Como ajudar o/a  paciente quando percebemos este medo? O que tenho tentado fazer é procurar em conjunto que situações precoces onde a estabilidade é um direito e uma necessidade primordial,  tiveram uma quebra de estabilidade e continuidade. Mães e pais por exemplo trabalhando fora e demorando demais algumas vezes para chegar, ou viagens muito prolongadas dos pais, por exemplo tem aparecido nos relatos clinico. Mas há muitos outros exemplos de instabilidades  ou quebras de continuidade que são vividas de uma forma traumática na primeira infância ou mesmo na puberdade. Conflitos em casa, separações inesperadas, mudanças constantes de casa, cidade, escola, oscilações financeiras, perdas de pessoas próximas., etc 

Tenho me dado conta que estas instabilidades biográficas se somam a instabilidade ontológica que nós seres humanos vivemos. Sim porque por nossa condição humana nos joga nesta precariedade, nesta finitude, nesta vulnerabilidade que criam em nós o sentimento de instabilidade, mesmo que nem sempre ao nível totalmente consciente. Fica em nós esta ferida ôntica-ontológica (1) que, me parece, acaba produzindo em nós a defesa de ir muito rapidamente para o nível mental e criar formas de pseudo-controle para simular uma tentativa de afastar esta instabilidade profunda que experenciamos.

Lógico que são tentativas geralmente frustrantes, as vezes nossas tentativas de controle, como por exemplo pelo ciúme, pela possessividade, pela ansiedade podem mais quebrar continuidades do que assegura-las. No trabalho clínico, seja com EFT seja com outros métodos, é muito importante ajudar o paciente a compreender o significado de suas defesas mentais de tentativas de controle excessivo, para que se observando possam relaxar e criar os recursos para aceitar a quebra desta arrogância de tentar defensivamente quebrar nossa instabilidade ontológica. A medida que a aceitamos, não só mentalmente mas ao nível da nossa experiência, temos mais recursos para lidar com nossas memórias de quebras de continuidades traumáticas,  contando com a dimensão espiritual para criarmos um novo estilo de ser, mais harmônico, em paz, sem defesas sintomáticas. 

Aguardo seus comentários...perguntas, impressões

(1) Estes conceitos como a maioria dos conceitos clínicos que uso são conceitos experenciais e não abstratos e seguem ensinamentos principalmente do professor Gilberto Safra e dos autores com os quais tem grande afinidade como Winnicott, Pavel Florensky, entre outros.


 

ACADEMIA CLINICA
Sonia Novinsky
Sonia Novinsky Seguir

Psicoterapeuta . Diretora do Centro Gary Craig de Treinamento em EFT Oficial no Brasil. Atendimento on line e presencial. Supervisão em grupo para EFT Oficial ( tapping e Optimal). Práticas grupais de EFT. Contatos pelo whats: 11999941415

Ler matéria completa
Indicados para você