[ editar artigo]

Integração entre Tapping EFT Oficial E Optimal EFT

Integração entre Tapping EFT Oficial E Optimal EFT

Vou fazer uma série de vídeos para ensinar, praticamente, o bom uso do EFT oficial. Queria dar algumas dicas do uso do EFT OficialTapping e Optimal  e este é o primeiro vídeo.

Quem não conhece o EFT Tapping, por favor, olhe o vídeo denominado A Receita Básica, que ensina o mais básico do Tapping. E, para os que ainda não sabem, o Optimal é um aperfeiçoamento do EFT Oficial Tapping.

Depois de mais de 20 anos aplicando o Tapping para sintomas , analgesia e também na sessão terapêutica, além de buscar os eventos específicos que mobilizaram negatividades e adoecimentos - padrões que evitavam uma evolução da pessoa, Gary se deu conta que poderia encontrar um potencializador de cura dentro do paciente e do terapeuta e escreveu um livro O Terapeuta Interior, que depois se tornou um curso, Optimal EFT.

Vocês sabem, o Tapping é uma forma de lançar mão dos meridianos descobertos pelos chineses, porque eles guardam as marcas dos nossos traumas e das nossas reações a estes traumas, sempre negativas. O EFT  Tapping tem vários procedimentos possíveis, desde a analgesia até o trabalho a distância.

Algo novo que estamos há alguns anos praticando é adicionar o trabalho do nosso Terapeuta Interior ao trabalho do Tapping EFT.

O Terapeuta Interior é nossa Força Essencial, Deus, nosso eu superior, enfim, como vocês preferirem denominar este mistério que nos ilumina internamente. Quando a gente adiciona este Terapeuta Interior ao Tapping percebemos que nossos resultados são mais rápidos, mais definitivos, que se consolidam mesmo.

O Gary já não usa o Tapping, mas eu aconselho vocês a agregarem o trabalho do terapeuta Interior ao Tapping, pois isso será mais fácil no início.

Como eu sugiro que vocês façam?

Primeiro, vocês tem que saber pelo menos o básico do EFT Tapping e há vídeos em que ensino isso, como  A Receita Básica que mencionei acima.

 Vou aqui fazer um resuminho rápido do correto uso do Tapping:

Vamos supor que chega uma cliente, como aconteceu comigo, e que me diz "estou muito aflita, meu filho vai morar fora do Brasil para estudar". Percebemos que há algo de exagerado nesta aflição, uma super ansiedade, com sintomas físicos inclusive: dor de estômago, cansaco, indisposição, um nó na garganta.

Certo que, um filho de 19 anos morar fora de casa pela primeira vez, num país diferente, desperta uma ansiedade, mas também é uma notícia boa, ele foi aceito por uma universidade, vai ter uma vida bacana, num campus bem estruturado, novas amizades, pontos no currículo, etc.

A primeira coisa a fazer é tentar ver como esta resposta emocional ("me sinto muito aflita") tem algo a ver com sua biografia, com eventos que possam ser a raiz desta resposta.

Como ela é minha cliente, eu até ja sabia. Por duas vezes seus pais se deslocaram dentro do Brasil, saíram do estado onde ela e seus pais nasceram  (onde tinham família e raízes, amigos) e foram para outro estado, onde tudo era novo e tudo era diferente. Depois, ainda, para outro estado. 

Apesar das mudanças não representarem perdas materiais para a família, as perdas afetivas foram significativas.: escolas diferentes, amigos diferentes, culturas diferentes, tudo levando a esta sensação de perda e de beira do abismo.  Esse quadro descreve o que eu chamo de síndrome do exílio.

Estas mudanças que desenraizam a pessoa, vão dando sintomas físicos, podem ser alergias, podem ser gastrites, e também sintomas emocionais, como medo de ficar sozinha, medo de escuro, medo de perda e crises de ansiedade de separação muito fortes.

O primeiro a fazer é: testar o quão aflita ela se sente, quais sintomas corporais ela sente, e de zero a dez, qual número ela dá para cada sintoma. Assim, fazemos o Tapping para esta aflição manifestada nos sintomas físicos.

O segundo passo é podermos verificar alguns eventos específicos de despedidas e perdas que esta paciente  viveu nestas mudanças de estado.

Não esqueçam sempre de pedir para ela avaliar suas respostas emocionais e dar um numero de zero a dez para elas!

Introduzir o Terapeuta Interior para nos ajudar no trabalho

Como já tiramos boa parte da aflição que ela chegou, podemos pedir para ela visualizar um momento bom que viveu, de paz; em seguida pedimos para ela se conectar com o evento específico mais crítico, e antes de iniciar o Tapping, pedimos que ela se abra para receber ajuda no trabalho do TI.

Nós fazemos o mesmo, irradiando amorosidade para seu coração, luz também, pedimos ao TI que nos ajude no trabalho do Tapping e na dissolução do que ainda restam de memórias emocionais negativas dos eventos vividos.

Minha experiência é que, se nos conectamos com o TI e ele se sente recebido, com permissão de operar, precisaremos de menos rodadas de Tapping o alívio será maior e mais duradouro.

Algumas vezes, eu faço o trabalho com o TI sem mesmo falar sobre ele para o paciente, depende muito do paciente e da relação que temos já. Vamos fazendo todos os eventos que são necessários para limpar todos os excessos emocionais ligados, ao tema, no caso da paciente, todos os excessos ligados a despedidas. Sempre limpando os eventos em que elas ocorreram.

Hoje era isso que eu queria mostrar para vocês.

Minha paciente chorou bastante ao fazermos o Tapping com a mobilização do TI, mas foi bom, ela saiu me dizendo, há muito tempo não conseguia chorar assim, obrigada, muita coisa limpei e me sinto mais calma.

Comentem, perguntem e escrevam!

 

ACADEMIA CLINICA
Sonia Novinsky
Sonia Novinsky Seguir

Psicoterapeuta . Diretora do Centro Gary Craig de Treinamento em EFT Oficial no Brasil. Atendimento on line e presencial. Supervisão em grupo para EFT Oficial ( tapping e Optimal). Práticas grupais de EFT. Contatos pelo whats: 11999941415

Ler matéria completa
Indicados para você