[ editar artigo]

Por que esta epidemia de crises de pânicos entre os jovens? O EFT pode ajudar?

Por que esta epidemia de crises de pânicos entre os jovens? O EFT pode ajudar?

Muitas pessoas hoje pedem ajuda terapêutica e até tomam medicamentos para crises de pânico. Por que vemos crianças desde os 12 anos e jovens com crises de pânico que se estendem até a idade madura?  

Pessoas que não sentem aparentemente nada, de repente começam a sentir que uma morte iminente se aproxima, sentem que congelam nas extremidades, o coração palpita, suor frio, tontura, falta de ar, tremedeira. Estes são alguns sintomas típicos.

Há o que podemos chamar de uma agonia, com sensações de desintegração de si mesmo. Há uma perda de controle e a pessoa fica como que a mercê das sensações horríveis, que parecem eternas.

O que acontece no que se chama ataque de pânico?  Por que ele acontece? Por que ele tem sido tão comum e desperta tal angustia de dispersão? Como podemos trabalhar essa síndrome com EFT?

Com EFT você pode, em primeiro lugar, diminuir a força do ataque e evitar uma dispersão de si avassaladora, apenas focando nos sintomas e fazendo o tapping nos terminais dos meridianos. Esse é o uso mais simples e comum do EFT e já contei isso outras vezes. O que acontece nestes momentos é que os sintomas vão diminuindo como se a pessoa tomasse um Rivotril. O campo da energia sutil se recompõe rapidamente, com algumas rodadas de EFT.

Mas o ataque voltará. E precisamos cuidar da pessoa e não mais do ataque em si. Precisamos olhar a biografia desta pessoa e ver quando o primeiro ataque aconteceu. Precisamos ir para a vida singular da pessoa e ver como sua história se constituiu até este primeiro ataque. Geralmente encontramos pessoas para as quais o fluxo da vida se estancou em algumas âncoras de identidades rígidas. Por exemplo, ser o melhor da classe, ser o campeão de basquete, ser o mais popular do grupo de amigos, ser sempre considerado a pessoa mais bonita do grupo, ser um dentista antes de tudo o mais, ser o/a cônjuge eterno, ser um executivo importante.

 A pessoa constrói esta imagem de si e mentalmente tem esta narrativa de que esta representação de si é ela, a define e a sustenta.  E se agarra a ela de tal forma que se enrijece e como que se petrifica nela. Desta forma  tudo na sua vida vai ser referido a isso, e vem o temor ainda que inconsciente de que isto se instabilize. O fluxo da vida, que é a metamorfose, as transições, as mudanças, deixa de acontecer. Para preservar a imagem muitas vezes concessões são feitas, posições deixam de ser tomadas, intuições deixam de ser seguidas. A âncora na identidade e na imagem é o ponto nevrálgico desta pessoa.

E como a vida é fluxo, ha momentos em que ocorrem rupturas, situações em que as identidades serão sacudidas, esta imagem não se sustenta, e o primeiro ataque de pânico vem com toda sua virulência. A ameaça  e a ansiedade de desintegração é vivida com todos estes sintomas. E a partir deste primeiro ataque, o reflexo do alerta que temos vai acionar o pânico todas as vezes que a ameaça de sacudir a estabilidade da imagem venha a ocorrer.

O EFT pode ser muito útil, com Tapping ou com Optimal para se olhar o sofrimento que levou à construção de identidades tão rígidas para amparar crianças e adolescentes que não tiveram sustentação para não temerem o fluxo. Estas crianças não cresceram com confiança em si mesmas e nos seus recursos, para poderem ousar, se posicionar e serem mais flexíveis ao movimento da vida e às exigências de mudança.  Com EFT se pode ir aos eventos que trouxeram a dor que levou então à construção destas representações de si ou estas nomeações de si tão pouco maleáveis e transformáveis.  E na relação terapêutica ir criando a confiança para que a sustentação se faça no processo e não em nomeações do processo.

Como diz Gilberto Safra, “As chamadas crises de pânico decorrem do fato de que uma situação põe em cheque um fator espaço-temporal e representacional no qual a pessoa constituiu sua identidade e ela passa a viver uma ansiedade de dispersão.”
Considero importante o trabalho com um terapeuta sempre que a pessoa apresenta crises de pânico. É difícil a prática do EFT em si mesmo nestes casos. Pois podemos ajudar a pessoa a se sentir confiante para se realizar no fluxo da vida, em transição sempre, pois este é nosso destino como seres humanos. As nomeações de si mesmo, as representações de si mesmo, as imagens de si mesmo, se tornam fluentes, transitórias, o movimento da vida prevalece sobre a fixidez das identidades, sejam elas positivas ou negativas, e o movimento da vida nos ancora, nos tornamos o vir a ser da vida. Isso diminui em muito a chance de novas crises de pânico.

Comunidade EFT Oficial
Sonia Novinsky
Sonia Novinsky Seguir

Psicoterapeuta . Diretora do Centro Gary Craig de Treinamento em EFT Oficial no Brasil. Atendimento on line e presencial. Supervisão em grupo para EFT Oficial ( tapping e Optimal). Práticas grupais de EFT. Contatos pelo whats: 11999941415

Ler matéria completa
Indicados para você